estatueta do oscar
31 de March de 2022

O Tapa do Oscar 2022 doeu em mim.

By Fernanda
Clique para ouvir o áudio do texto.

Acordei como se estivesse de ressaca, uma tristeza invadiu minha alma e senti lágrimas escorrendo pelo meu rosto.

Era como se eu tivesse lá, na cerimônia, e tivesse sentido tudo na pele. 

A decepção de ter recebido o tapa, a vergonha de ter dado tapa.

Senti meu sangue ferver e uma angústia tomou conta de mim.

A que ponto chegamos😔

Ao meu ver, descontrole dos dois lados.

Uma graça, sem graça, em brincar com os sentimentos do outro e, a falta de controle, puro instinto de preservação da honra, mas em troca de quê?

  • Ele agiu por instinto, vão dizer alguns. 
  • É da natureza humana, mas que natureza?

Em pleno 2022 não há mais espaço para seguir apenas o nosso instinto. Não somos bárbaros, já fomos, não somos mais.

Não há mais espaço para levantar a mão e partir para a agressão se eu não concordar com a sua ideia.

Ah, mas ele também foi agredido pelas palavras do outro, apenas revidou, defendem outros.

Sim, concordo que também houve agressão na palavra. 

Houve falta de preparo, já que o discurso é feito antecipadamente, já que eles são do meio artístico, já que…

Parece-me que houve mesmo foi falta de empatia. Nem tudo é graça. 

A dor do outro, uma característica física ou de personalidade não deveria ter sido vista como graça, a menos que a própria pessoa nos dê autorização para isso. 

Em marketing até existe um gatilho que fala justamente disso. Você primeiro se ridiculariza para dar a permissão a apontar no outro o que você vê que ele tem que é igual a você, mas isso é outra história.

Vamos voltar a falar do tapa.

Por que ele doeu em mim, estou a refletir sobre isso desde o corrido 🤔 

Acho que foi um atestado do quanto nosso planeta enfrenta as interferências de energias negativas que foram criadas por nós mesmos e que precisamos estar de olho e nos proteger.

A falta de empatia e preparo de um, o descontrole emocional do outro, o egoísmo de ambos em não olhar para o outro e pensar apenas na sua dor, o conflito e a polarização das ideias dos que estão de fora, porque o seu ponto de vista é o correto e deve prevalecer a sua ideia.

Por um lado um discurso calculado,  planejado mesmo que sem intenção de magoar, porém, energia negativa articulada e encapsulada e disfarçada em forma de graça.

Uma agressão encoberta pelo riso. Por estarmos tão focados em nós mesmos é que colocamos um véu em nossos olhos que nos impede de olhar o outro, com amor e respeito. 

Nos impede de perceber a agressão que muitas vezes causamos ao julgar, ao menosprezar, ao não prever o que pode acontecer que seja reação da nossa ação.

Por outro lado, o instinto animal, visceral, que ao longo dos anos nos protegeu e perpetuou a vida.

Um ato de pura emoção também encoberto pela justificativa de: tenho que proteger meus entes queridos, fui agredido e estou me defendendo.

Porém um ato que foge ao controle e deixa marcas mais em quem executa o ato do quem quem recebe.

E, em meio a tudo isso, e ao mesmo ver mais preocupante, o que me causa extrema tristeza são os espectadores que tomam partido emitem opiniões polarizadas e perpetuam a baixa vibração energética decorrente do ato.

Escolhem um lado pautados no emocional encoberto de: causas raciais, direito da mulher, humoristas são insensíveis, enfim julgam e recriminam o outro sem ao menos se colocar em seu lugar, sem ao menos raciocinar e refletir o que pode ter regrado qualquer ação.

Soube de muitas mensagens do tipo.

  • Ele mereceu o tapa.
  • É isso mesmo, se fosse minha mulher eu agiria do mesmo jeito.
  • Ele é mocinho em pele de cordeiro.
  • Está errado, era só uma brincadeira.

De jeito algum essas discussões vão nos ajudar enquanto humanidade e nem ao menos ajudar os dois envolvidos.

Há ainda os que dizem: depois de tudo isso eles é que se saíram bem. Enquanto nós estamos aqui, falando sobre eles, o show do X esgotou os ingressos, o filme do Y teve recorde de acesso, e eles estão ganhando muito dinheiro com isso.

Agora eu quero falar sinceramente o que eu penso sobre isso.

Qual será o nível de energia que os ganhos financeiros provenientes desse episódio vão trazer aos envolvidos e a todos nós?

As forças negativas encobrem a situação nos fazendo ter a ilusão de que ocorrido, apesar de tudo, trouxe o sucesso e vamos seguir nossos dias achando que está tudo bem.

MAS NÃO ESTÁ.

Uma vida apenas seguindo nossos instintos primários é um retrocesso numa civilização que dispõe de mais elevadas formas de convivência e comunicação.

Cultuar apenas o instinto de sobrevivência, ao invés de nos ajudar a crescer, irá nos manter presos no movimento circular constante, porém sem expansão.

Ocorre que, quando usamos apenas o instinto, passamos a viver apenas pelo ego, assim deixamos de olhar para o outro.

Hoje não precisamos enxergar tudo e todos como perigo ou inimigos (posso morrer neste ambiente, ele pode me matar). Podemos SIM, enxergar o outro como sinônimo de união de forças, nosso apoiador.

É preciso entender que ele, o outro, faz parte de mim e nós, somos parte do todo.

Uma vez que você agride alguém, agride a si mesmo, ao mundo e a todas as outras pessoas. Por isso o tapa doeu em mim e ainda estou processando tudo isso e me recuperando.

Faz sentido para você? Comenta aqui como que você tem se protegido dessas situações?


imagem de mulher com blusa branca e pele clara

Sou Fernandda Menezes

Trabalho com coach de marca pessoal ajudando empreendedores a se reconectar com sua essência e encontrar seu lugar de destaque no mercado.

Quer destravar de uma vez por todas com a super ajuda de uma comunidade de pessoas que já passaram e outras que estão passando pelo mesmo que você? Entra na Comunidade Saia da Toca.

Me siga também nas minhas redes.